sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Incubadora participará do Novembro Negro da Comunidade Quilombola da Lagoa Grande



No dia 10/11/2017, a Incubadora de Iniciativas da Economia Popular e Solidária – IEPS/UEFS participou da reunião de construção do Novembro Negro da Comunidade Quilombola de Lagoa Grande. A reunião convocada pela Associação Comunitária de Maria Quitéria (ACOMAQ) teve a participação também de representantes de escolas do Distrito de Maria Quitéria, da Secretaria Municipal de Educação (SEDUC), da Pró-Reitoria de Ações Afirmativas e Assuntos Estudantis (PROPAAE - UEFS) e do Instituto Federal da Bahia (IFBA – FSA). 
O evento ocorrerá nos dias 24 e 25 de novembro, terá “Minha Terra é Quilombola: fortalecimento da identidade, da luta pela terra e recursos naturais da Comunidade Quilombola de Lagoa Grande” como tema deste ano e no dia 25/11, às 08:30h, a Incubadora participará da Mesa Redonda “Possibilidades de geração e renda na Comunidade: Desenvolvimento Local e Economia Popular e Solidária na Lagoa Grande.

Fiquem atentos na data e participem!


 

*Fotos: Juliana Freitas

terça-feira, 7 de novembro de 2017

INCUBADORA DA UEFS REALIZA IIª FEIRA DO PROJETO FEIRA PERMANENTE DA UEFS

O Programa Incubadora de Iniciativas da Economia Popular e Solidária da UEFS (IEPS/UEFS) convida a comunidade acadêmica para a IIª Feira do Projeto Feira Permanente da UEFS. Intitulada como: Feira de Saberes e Sabores: o seu ponto de encontro com a Economia Popular Solidária e com a Agricultura Familiar na UEFS, terá sua segunda  edição no dia 09 de novembro, próxima quinta - feira e será realizada no estacionamento dos bancos , em frente à Incubadora.
      A Feira permanente da UEFS faz parte de um projeto da IEPS que vem sendo construído há alguns anos em parceria com grupos que trabalham seguindo os princípios da Economia Popular e Solidária e com agricultores que produzem seguindo os princípios agroecológicos.
      A ideia é que essa feira seja, não apenas um espaço de comercialização, mas que se constitua enquanto um ponto de encontro, onde as pessoas possam estabelecer e/ou estreitar as relações, que estimamos tão importante nos espaços populares.
      A intenção é que a feira se consolide como uma atividade permanente na UEFS e que vá evoluindo para uma periodicidade cada vez menor.
     Na Feira de Saberes e Sabores será possível encontrar artesanatos, plantas ornamentais, produtos alimentícios, apresentações culturais além de poder conhecer um pouco mais do trabalho dos grupos acompanhados pela IEPS.
      O espaço está aberto, inclusive, para quem quiser participar com seu talento, música, dança, performance e etc! Interessados e interessadas entrem em contato através do e-mail da IEPS:  incubadora.popular.uefs@gmail.com ou do telefone 3161-8230.


sexta-feira, 29 de setembro de 2017

V SEMINÁRIO INTERNO DA INCUBADORA DE INICIATIVAS DE ECONOMIA POPULAR E SOLIDÁRIA DA UEFS: FORMAÇÃO, INFORMAÇÃO E ELABORAÇÃO DE PLANOS DE TRABALHOS

A Incubadora de Iniciativas da Economia Popular e Solidária da UEFS (IEPS-UEFS) vem desenvolvendo suas atividades como programa de extensão e projeto de pesquisa, desde 2008.  Simultaneamente, docentes, técnicos e discentes dividem seus saberes no Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Economia Popular e Solidária e Desenvolvimento Local (GEPOSDEL).
Tendo em vista a construção do conhecimento a partir do diálogo com as diversas áreas do conhecimento, bem como com os saberes diversos, internos e externos à UEFS, vem realizando há quatro anos Seminários Internos sobre Economia Popular e Solidária e Desenvolvimento Local, objetivando esclarecer como se dá o processo político pedagógico do trabalho associado que se constitui na incubação de iniciativas populares.
É neste contexto que realizaremos o V Seminário Interno com o intuito de apresentar a Incubadora, seus objetivos e ações, de quem se constitui e quais os seus principais instrumentos de trabalho e sua metodologia. Nesta 5ª edição as atividades acontecerão no dia 09/10  (segunda-feira) na sala da Incubadora das 8:00h às 12:00h e das 14:00h as 18:h.
O seminário tem como objetivo:
ü  Propiciar uma aproximação em relação ao debate sobre a Economia Popular e Solidária, bem como sua interdisciplinaridade, esclarecendo também sobre a Incubadora, o que faz, como faz e o que vem a ser o processo de incubação;
ü  Apresentar os diversos projetos em processo de incubação na IEPS-UEFS, divulgar os temas que estão sendo demandados no processo de trabalho coletivo das iniciativas, bem como promover oficina para elaboração de Planos de Trabalho a(os) interessada (as) em se integrarem à sua equipe de pesquisa e extensão.

O evento será organizado em três momentos:
i) apresentação de nosso vídeo institucional seguido de comentários da equipe, aberto ao público em roda de conversa;
 ii) apresentação de Planos de Trabalho que geraram ou guardam alguma relação com alguns “produtos/intervenções” como monografias, dissertações, teses e oficinas;
 iii) oficina em grupos com 3(três) ou 5(cinco) componentes para elaboração de planos de trabalhos afins às demandas da IEPS, com auxílio dos bolsistas que já desenvolvem seus planos. Nesta etapa indicaremos alguns temas como:
1) tecnologia social e comunicação em economia popular e solidária;
2) regras de convivência, relações e conflitos no processo trabalho;
3) feiras livres, de economia popular e solidária, o processo de trabalho e a comercialização;
4) a ideologia do empreendedorismo contra o trabalho coletivo;
5) meios de pagamentos, moedas social e bancos comunitários de desenvolvimento local;
6) espaço, território, territorialidade e poder;
7) preços, custos em mercados ou redes de comercialização;
 8) universidade e sociedade: extensão e desenvolvimento local;
9) cooperativismo e microfinanças;
10) a solidariedade como um componente político para o fortalecimento das relações de trabalho;
A natureza deste evento justifica-se pelo fato de oportunizar, aos alunos, professores, assim como à comunidade interna e externa à UEFS, o estabelecimento de contatos e diálogos diretos, sem ruídos ou linguagens “truncadas” tal como a ideia de “livre mercado”, cultura do autoemprego e ideologia do “empreendedorismo social”.
A elaboração dos planos de trabalho, em última instância, pretende ser o ponto de partida ou chegada para processos de pesquisas, trabalhos de extensão ou diálogos fluidos entre universidade e comunidade, mediados pela relação interdisciplinar entre variadas formas de conhecimentos.
Por fim, ao final do dia os planos de trabalhos elaborados serão coletados, indicadas as orientações, ordenados e, após atendidas as sugestões da equipe, integrarão banco de dados a ser acessado na oportunidade dos próximos editais para bolsas de iniciação científica e extensão ou mesmo vagas para pesquisadores(as) ou extensionistas voluntários(as).
            Os interessados em participar podem realizar sua inscrição até o dia 08/10 até 23:00h pelo link : 


quinta-feira, 28 de setembro de 2017

INCUBADORA DA UEFS REALIZA Iª FEIRA DO PROJETO FEIRA PERMANENTE DA UEFS

      O Programa Incubadora de Iniciativas da Economia Popular e Solidária da UEFS (IEPS/UEFS) convida a comunidade acadêmica para a Iª Feira do Projeto Feira Permanente da UEFS. Intitulada como: Feira de Saberes e Sabores: o seu ponto de encontro com a Economia Popular Solidária e com a Agricultura Familiar na UEFS, terá sua primeira edição no dia 05 de outubro, próxima quinta - feira e será realizada no estacionamento dos bancos , em frente à Incubadora.
      A Feira permanente da UEFS faz parte de um projeto da IEPS que vem sendo construído há alguns anos em parceria com grupos que trabalham  seguindo os princípios da Economia Popular e Solidária e com agricultores que produzem seguindo os princípios agroecológicos.
      A ideia é que essa feira seja, não apenas um espaço de comercialização, mas que se constitua enquanto um ponto de encontro, onde as pessoas possam estabelecer e/ou estreitar as relações, que estimamos tão importante nos espaços populares.
      A intenção é que a feira se consolide como uma atividade permanente na UEFS e que vá evoluindo para uma periodicidade cada vez menor.
     Na Feira de Saberes e Sabores será possível encontrar artesanatos, plantas ornamentais, produtos alimentícios, apresentações culturais além de poder conhecer um pouco mais do trabalho dos grupos acompanhados pela IEPS.

      O espaço está aberto, inclusive, para quem quiser participar com seu talento, música, dança, performance e etc! Interessados e interessadas entrem em contato através do e-mail da IEPS:  incubadora.popular.uefs@gmail.com ou do telefone 3161-8230.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Estudantes de Tecnologia da Informação (TI) do Centro Territorial de Educação Profissional do Portal do Sertão visitam a Incubadora Popular da UEFS

No dia 04 de setembro de 2017, estudantes que cursam o 4º módulo do Curso de Tecnologia da Informação (TI) do Centro Territorial de Educação Profissional do Portal do Sertão (CETEP Portal do Sertão), acompanhados do Prof. Jhonatas Monteiro, visitou a Incubadora Popular da UEFS para um bate-papo sobre Economia Popular e Solidária e Cooperativismo. Esses  estudantes se encontram na reta final de formação técnica e desejam dedicar-se ao trabalho coletivo  após o  término do Curso -  talvez montando uma Cooperativa de TI em Feira de Santana.
Foto: Juliana Freitas
Na ocasião o Prof. José Raimundo, coordenador da Incubadora, explicou que a prática dentro da Economia Popular e Solidária estabelece um processo educativo do grupo para que o trabalho não deixe de ser coletivizado, ou seja, possa ser desenvolvido de maneira igual e rotativa a fim de que  todos aprendam por meio desse trabalho o processo político educativo de incubação – é desta forma que trabalha  a Incubadora de Iniciativas de Economia Popular e Solidária da UEFS(IEPS-UEFS). Além disso, o professor explicou que apesar da grande quantidade de cooperativas existente no Brasil, aproximadamente, 10% das iniciativas de Economia Popular e Solidária, poucas se utilizam do princípio educativo do trabalho, abrigando-se nas efetivas práticas da cooperação, solidariedade, autogestão e associativismo como característica fundamental de uma outra economia. Geralmente, a ação econômica,  é a dimensão  que determina o ponto de partida da organização para produzir visando gerar trabalho e renda, todavia na economia solidária essa dimensão é uma das última  a ser observada  porque dimensões como política, educativa e social, são tão ou mais relevantes/interessantes que a ação econômica.  A Economia Popular e Solidária é uma proposta que se diferencia do modelo verticalizado da economia convencional, visto que procura orientar os (as) envolvidos (as) no processo de incubação sobre a importância da independência, da politização, da aprendizagem, da formação, das relações solidárias, da relações com a comunidade, que está à frente do crescimento econômico gerado pelo trabalho desenvolvido - o empoderamento individual, coletivo e desenvolvimento local são consequências naturais do exercício do modelo econômico popular solidário.
Na oportunidade, a bolsista Elianne Paraíso, estudante de Psicologia e componente da Incubadora, destacou que a utilização do termo Economia Popular e Solidária é uma forma de posicionamento político, e que antes era utilizado de forma generalizante o termo Economia Solidária. A estudante ressalta que  esse último termo  já se perdeu no processo por indicar muitas vezes apenas uma “política pública descontínua de ocupação do trabalho” e que também há confusão no uso da expressão “Economia Solidária” com o termo “Solidariedade” (altruísmo), inclusive, o termo “Solidariedade” tem sido utilizado por empresas para promover o Marketing Social e faz parte da  lógica já conhecida para justificar a “responsabilidade social” e a ideologia do empreendedorismo capitalista.
No diálogo com o grupo, o Prof. José Raimundo listou algumas características das diferentes tipologias que compõe o leque de iniciativas dessa economia, destacando a associação (associativismo) por representar cerca de 65% das organizações no Brasil, explicando que a associação pode ser constituída a partir de duas pessoas, mas não deve exercer o comércio porque a sua natureza jurídica não permite, o professor ressalta que ainda assim algumas associações comercializem. O Prof. José Raimundo sugere que  a cooperativa pode ser constituída com um mínimo de sete pessoas, mas, ao contrário da associação, pode comercializar de forma satisfatória do ponto de vista jurídico com condições muito semelhantes a de uma empresa no mercado convencional -   apesar de pagar os mesmos tributos de uma organização convencional a cooperativa possui compensação tributária progressiva, ou seja, uma compensação relacionada à qualidade e quantidade do que comercializa quando beneficiada por alguma política de governo o que não tem sido comum. Ademais, na constituição de uma cooperativa não há exigência de que os nomes de todos envolvidos (as) figure na razão social e tem as regras postas socialmente e garantidas historicamente pelo movimento cooperativista popular tais como:  adesão livre e voluntária; gestão democrática; participação econômica dos membros; autonomia e independência; educação, formação e informação; intercooperação; interesse pela comunidade; preservação dos direitos sociais, do valor social do trabalho e da livre iniciativa; não precarização do trabalho; respeito às decisões de assembleia, observado o disposto na Lei n.º 12.690/2012; participação na gestão em todos os níveis de decisão, de acordo com o previsto em lei e no estatuto social.
Em seguida o Prof. José Raimundo explicou sobre  a sociedade simples,  tipologia aderente à ideologia do processo de incubação de origem italiana e pouco utilizada no Brasil, a qual representa cerca de 2% das organizações solidárias do nosso país. O professor explicou ainda que a sociedade simples pode ser constituída a partir de duas pessoas, adere ao sistema de tributação do Simples Nacional, apresenta média de custo mensal bem reduzido, permite o exercício do comércio limitado à determinada receita, seu estatuto  deve apresentar o nome de todos (as) integrantes e, adequa-se facilmente ao modelo de cooperativa, incluindo-se, por exemplo, adesão voluntária, divisão das sobras, divisão do trabalho, rotação de postos, associação livre - dentre outras proposições do grupo interessado.
Os aspectos anteriormente descritos promoveram um diálogo profícuo com o grupo de estudantes em uma Roda de Conversa – os encaminhamentos decorrentes do diálogo foram listados. Destaca-se que os serviços que esses estudantes sabem realizar poderão ser utilizados para análise da viabilidade socioeconômica da iniciativa: verificação das possibilidades, como se situa a demanda por esse serviço em Ferira de Santana, qual o universo, quantas pessoas desenvolvem esse trabalho e quanto se cobra ou pode-se cobrar, etc., visando posterior continuidade do diálogo, talvez, o início de um processo de Incubação.
Na avaliação da Equipe da Incubadora esse tipo de atividade permite a divulgação do trabalho de incubação como uma forma diferenciada de se fazer extensão, bem como possibilita a diferenciação da extensão “prestação de serviço” comumente confundida enquanto papel social de uma universidade pública e socialmente referenciada.
Foto: Bárbara Souza

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

NOTA SOBRE O FUNCIONAMENTO DAS CANTINAS LIGADAS AO PROJETO CANTINA SOLIDÁRIA III E IV NO RECESSO

Informamos que em decorrência do recesso acadêmico, o funcionamento das Cantinas ligadas aos projetos Cantina Solidária III (Cantina do Módulo I), grupo Sabores do Quilombo e Cantina Solidária IV (Cantina do Módulo VII), grupo Delícias de Formiga terão seus horários de funcionamento alterados. No período de 30/08 a 11/09 a Cantina do Módulo I funcionará em todo período de recesso das 07:30h ás 17:00h.  A Cantina do Módulo VII não funcionará neste período.
Durante o período de recesso os grupos estarão em atividades de reunião, treinamento para o próximo semestre, bem como a participação em espaços externos à UEFS como da XLII EXPOFEIRA, que ocorrerá entre os dias 03 a 10 de setembro de 2017.

Neste contexto, agradecemos a compreensão de todos da Comunidade Universitária, com o apoio de sempre no desenvolvimento desses que objetivam a realização das atividades de organização, comercialização, formação e capacitação dos envolvidos no processo de incubação visando á geração de trabalho e renda, formação política, fortalecimento da relação universidade comunidade, bem como da Economia Popular e Solidária no município de Feira de Santana.
Atividade Grupo Sabores do Quilombo

Atividade Grupo Delícias de Formiga 



Feira de Santana- BA, 30 de agosto de 2017

INCUBADORA DE INICIATIVAS DA ECONOMIA POPULAR E SOLIDÁRIA DA UEFS

JOSÉ RAIMUNDO OLIVEIRA LIMA 
Coordenador